Carrapicho Rangel sonha em deixar uma obra vasta para o mundo





Considerado um dos maiores bandolinistas do Brasil, Carrapicho Rangel quer deixar uma discografia que sirva de referência para outros músicos. O artista araraquarense, que já tocou em todos os cantos do Brasil e no exterior, concedeu uma entrevista ao programa Sou Arte da TV Câmara Araraquara (canal 17 da Net), contando um pouco sobre sua carreira e planos para o futuro.

Como você começou no meio artístico?
Comecei muito novo, com sete anos eu já tocava instrumento de percussão. Minha família é toda da música. Meu pai era presidente da escola de samba do bairro Yolanda Ópice. Eu comecei a tocar através de revistas. Com 14 anos, eu conheci o músico Fabiano Marquezine, que hoje é meu sócio em uma escola de música; estudei com ele. Em 1999 entrei no Conservatório de Tatuí e me dediquei durante 6 anos. Fui o primeiro a me formar no bandolim no conservatório.
Quais trabalhos você já fez?
Eu venho trabalhando no Sesi, Sesc, casas noturnas, viagens nacionais e internacionais. Gravei alguns discos. O primeiro foi com o grupo Quarteto Café, um grupo de choro da cidade. Gravei também um disco solo. Gravei com um trio que chama Código Ternário. Ano passado gravei um disco com a cantora Ana Costa. Tenho outro disco autoral gravado com o Márcio Marinho, um cavaquinista de Brasília.
Qual é seu estilo?
O samba está embutido em mim. Eu comecei tocando esse gênero. Toco de tudo um pouco, como jazz, música nordestina...
Quais suas principais influências?
Os mestres são Jacó do Bandolim e Luperce Miranda. A gente acaba seguindo o caminho de quem sempre ouviu. Para compor, busco como referências: Hamilton de Holanda, Chico Buarque, Fundo de Quintal, Cartola...
Qual sua fonte de inspiração?
A inspiração vem de alegrias e tristezas que você acaba vivendo. Quando vem a inspiração eu componho até mesmo dentro do carro e sem instrumento...
Como é ser artista em Araraquara?
Ser artista é a coisa mais maravilhosa que existe. Você acaba conhecendo lugares e lugares... A música aproxima as pessoas. A arte faz você pensar e ter um posicionamento em relação a tudo que você vê e escuta.
Quais são seus planos para o futuro?
Ter vários discos. Deixar uma obra que sirva de referência para as pessoas. Quero continuar estudando e ensinando. Desejo dar o melhor de mim para o mundo.


Confira a entrevista em vídeo no nosso canal do Youtube: https://www.youtube.com/watch?v=2qGBrrkWuIA&list=PLn6QKo13lg84kxuJuI0X3XtdGkY5J5QHX

Comentários