Fundo Eleitoral bilionário vai bancar até suplente de senador




A criação do Fundo Eleitoral para financiamento de campanhas está influenciando a composição das chapas de candidatos ao Senado. As vagas de suplentes de senadores, geralmente destinadas a parentes ou a endinheirados, agora entraram nas negociações de alianças. “Se antes o suplente precisava de recurso próprio para ajudar a eleger o senador, agora o partido pode alocar dinheiro do fundo na campanha”, observa o cientista político Antônio Queiroz. Na atual legislatura, 41 suplentes assumiram mandatos de titulares, mais da metade da Casa.
Mega-sena. Cada senador tem direito a dois suplentes, que não recebem o voto direto do eleitor, mas ganham o mesmo direito do titular se efetivados.
Em aberto. Candidato ao Senado, o ex-governador Marconi Perillo (PSDB-GO) diz que vai negociar as vagas de suplente com os partidos de sua aliança. O mesmo fará o senador Eunício Oliveira (MDB-CE), candidato à reeleição. Em 2010, as vagas dele foram dadas ao PR e PRB.

SINAIS PARTICULARES. Marconi Perillo, ex-governador de Goiás; por Kleber Sales
Cabem todos. Para acomodar correligionários na sua coligação, Eduardo Paes (DEM) ofereceu a Sérgio Zveiter (DEM), o relator do pedido de investigação contra o presidente Michel Temer na CCJ, a vaga de suplente de Cesar Maia (DEM) ao Senado. Ele aceitou.
Agora… O MDB de São Paulo trabalha para eleger uma bancada de, ao menos, cinco deputados federais. Em 2014, emplacou apenas dois: Baleia Rossi e Edinho Araújo, que renunciou em 2016 para assumir a prefeitura de São José do Rio Preto.
…vai. O partido avalia que foi prejudicado pela aliança com outras siglas em 2014. Desta vez, a chapa é pura. Entre os 65 candidatos, estão o palhaço Rapadura, do humorístico A Praça É Nossa, e o cantor Joaquim, da dupla Joaquim e Manuel, famoso pelo hit Boate Azul.
Peraí. A indefinição da senadora Marta Suplicy sobre disputar a reeleição levou o MDB paulista a empurrar para o dia 4 a decisão sobre seus candidatos ao Senado. Procurada, Marta disse à Coluna que vai tentar renovar o mandato.
Cofre cheio. O acordo de leniência da SBM assinado com a AGU e CGU deve recuperar um montante aproximado ao que a Lava Jato já devolveu aos cofres da Petrobrás nos últimos três anos.
Lá e cá. De imediato, a Petrobrás receberá R$ 560 milhões do trato com a empresa holandesa. No total, serão R$ 1,22 bilhão. A Operação Lava Jato já devolveu R$ 1,4 bilhão à estatal.
Vem aí. O próximo acordo de leniência deve ser fechado com a Andrade.
CLICK. A pré-candidata da Rede ao Planalto, Marina Silva (AC), relembrou nas redes sua passagem pelo Senado. Em 95, ela tornou-se a mais jovem senadora do País.
Tô pensando. O governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB), convidou a presidente do PCdoB, Luciana Santos, para ser a vice em sua chapa à reeleição. Procurada pela Coluna, a comunista disse que prefere disputar vaga para o Senado, mas admitiu ouvir seu partido antes.

AGENDA DA SEMANA
Sexta-feira, 3 de agosto
A ministra Rosa Weber marcou audiências públicas sobre a ação do PSOL que pede a descriminalização do aborto.

Sábado, 4 de agosto
PT, PSDB, Novo, Rede, Podemos, PPS, PR e Patriota fazem convenções partidárias em São Paulo, Brasília e Curitiba.


Fonte: O Estadão

PUBLICIDADE

Comentários