Para 59% dos professores, estados não se preocupam com aprendizagem




A maioria dos professores de escolas públicas brasileiras está descontente com a atuação das secretarias estaduais de Educação. Para 59% dos docentes, os governos estaduais simplesmente não estão preocupados com a melhoria na aprendizagem dos alunos.
O número é apontado pela pesquisa “Profissão Docente”, encomendada pelo Movimento Todos Pela Educação e o Itaú Social ao Ibope Inteligência, divulgada nesta segunda-feira, 30. O levantamento ouviu por telefone 1.773 professores de escolas públicas de todos os estados, do Ensino Infantil ao Ensino Médio. A margem de erro é de dois pontos, para mais ou para menos.
A pesquisa mostra que, para 66% dos professores, o principal problema na gestão pública é o descompasso entre os programas educacionais e a realidade das escolas. Para 65%, as secretarias estaduais não ajustam seus programas quando eles não funcionam bem.
Ainda sobre a satisfação dos professores com as secretarias de Educação, 63% entendem que a pasta não dá continuidade a bons programas e 64% consideram que não há um canal de comunicação satisfatório entre a classe e os responsáveis pela administração da rede pública.
A principal queixa dos docentes públicos em relação às secretarias recai sobre a falta de apoio em questões de saúde e psicológicas. Entre os entrevistados, 84% apontaram esta como a maior falha, seguida pela política salarial, lembrada por 73%.
A pesquisa aponta que 68% estão descontentes com processos burocráticos para aposentadoria e 66% não estão bem atendidos em relação a critérios de progressão na carreira.

Condições de trabalho e valorização

Considerando professores das redes pública e particular, o levantamento “Profissão Docente” fez 2.160 entrevistas sobre aspectos como condições de trabalho, valorização da carreira e renda.
A pesquisa mostra que 60% dos docentes estão insatisfeitos com o acesso à internet e a recursos tecnológicos dentro das escolas, 52% se queixam de recursos e materiais pedagógicos, 47% reclamam da infraestrutura dos colégios e 45%, do número de alunos por turma.
Conforme o levantamento, 44% dos professores estão insatisfeitos com a segurança dentro das escolas, mesmo número dos que consideram que não há tempo para atividades extraclasse.
Ainda segundo a pesquisa, 33% dos professores estão insatisfeitos com a profissão e 49% não recomendariam a própria carreira a um jovem.
Para valorizar a classe, 69% dos docentes consideram importante a criação de oportunidades para qualificação, 67% dizem ser preciso escutar os professores nos debates públicos e decisões sobre políticas educacionais e 64% apontam a restauração da autoridade e do respeito aos profissionais por estudantes e familiares deles. A melhoria nos salários é indicada por 62% como fator primordial à valorização.

Renda

O levantamento aponta que 62% dos professores brasileiros têm renda média de até 4.770 reais. O valor médio na rede municipal é de 4.610,98 reais, por uma carga horária média de 31,6 horas semanais; nas escolas estaduais, média de 4.916,81 reais por 30,9 horas semanais médias; e, nas particulares, renda média de 4.325,99 reais por uma carga horária de 23,1 horas por semana.
Segundo a pesquisa, 29% dos professores realizam alguma atividade extra para complementar a renda. A maioria dos que acumulam o ensino com outras ocupações está na rede privada, onde 52% dos docentes trabalham até 20 horas semanais.

Fonte: Veja

Comentários