Com apoio de Rafael de Angeli, Casa de Leis deve receber exposição das obras de Mestre Jorge




A iniciativa do vereador visa a tornar pública a coleção do escultor

Preservar o patrimônio material de um artista é assegurar que não apenas sua história, mas a cultura de uma geração seja rememorada por seus sucessores. E é na tentativa de manter viva a arte de Mestre Jorge (Jorge Brandão Coutinho) que o vereador Rafael de Angeli (PSDB) tem trabalhado.
Juntamente com o filho do artista, Jorge Brandão Coutinho, o parlamentar empenha esforços para tornar as obras de Mestre Jorge patrimônio cultural público de Araraquara. “O objetivo é realizar o desejo da família de tornar as esculturas, esculpidas em madeira, acessíveis a todos. Mestre Jorge marcou uma época com seus trabalhos, que nos contam um pouco sobre a vida e resistência do povo negro em um contexto de escravidão. Dar visibilidade à sua coletânea é manter a história viva”, destacou Angeli.
Nessa direção, durante a tarde da segunda-feira (13), Angeli e Coutinho estiveram reunidos com as representantes da Casa da Cultura, Alessandra de Lima, Virgínia de Gobbi e Rita Michelutti, para viabilizar a realização de exposições da coleção. “Inicialmente as obras serão levadas para a Pinacoteca de Araraquara, localizada na Casa da Cultura, e registradas. Depois de realizado o tombamento do patrimônio, este estará disponível para futuras exposições”, explica Michelutti.
“A ideia é destinarmos algumas peças para o Centro Afro – centro de referências da cultura afro em Araraquara, que leva o nome de Mestre Jorge – e também para outros espaços públicos”, contou o filho do escultor. 
Dentre os locais em definição, estão a Maternidade Gota de Leite e o saguão da Câmara Municipal de Araraquara. “Na coleção existe uma peça em que a mãe carrega seu bebê, a expectativa é mantê-la permanente na maternidade. As demais serão organizadas, com o auxílio das funcionárias da Casa da Cultura, e apresentadas de forma temporária”, concluiu Angeli.

Comentários