Fotografia: um dos maiores presentes que a humanidade poderia receber





Professora da Uniara o Dia Mundial da Fotografia é celebrado neste domingo, dia 19


Neste no domingo, dia 19 de agosto, é comemorado o Dia Mundial da Fotografia, um dos maiores presentes que a humanidade poderia receber em relação à informação, ao processo de comunicação e à documentação, segundo o professor de Fotografia dos cursos de Jornalismo e Publicidade e Propaganda da Universidade de Araraquara – Uniara, César Mulati.

“Sempre sugiro aos alunos tentarem imaginar como seria o processo de comunicação hoje se ninguém nunca tivesse registrado ou fixado uma imagem fotográfica. Estaríamos ainda desenhando e pintando as cenas do cotidiano? Como seriam nossas redes sociais, a televisão ou o cinema, que é uma evolução natural da fotografia? Considero-a um marco definitivo na evolução da comunicação visual do homem moderno e pós-moderno”, declara o docente.

Apesar dos equipamentos de alta tecnologia usados para os registros atualmente, o que faz diferença, em sua opinião, é o fotógrafo. “Não tenha dúvida de que uma boa fotografia nasce de um bom olhar. Você pode até ter o melhor dispositivo do mundo e dominar uma técnica avançada, mas se não tiver uma percepção para contar uma história no registro – a não ser que esteja fazendo uma foto meramente técnica, como uma 3 x 4, ou microscópica -, provocando uma emoção em alguém com aquela imagem, não faz sentido. Tudo depende exclusivamente do olhar, da maneira como se observa a realidade, como é recortado e registrado esse universo”, afirma.

Mulati comenta que, hoje, vivemos dois mundos paralelos, no que se refere à fotografia: “no primeiro, muitas pessoas fazem vários tipos de fotos de qualquer jeito, com seus equipamentos automatizados, gerando volume muito grande de imagens e, dentro delas, uma série de coisas desnecessárias, sem nenhuma emoção ou interesse. “São apenas banais, servem como registro do dia a dia, de uma forma muito supérflua”, completa.

“No segundo, existe um nível técnico que também vai ao extremo: pessoas trabalham em imagens com softwares e equipamentos mais sofisticados, conseguindo uma pureza na imagem muito interessante. Contudo, para mim, uma boa fotografia continua sendo aquela que causa uma emoção e conta uma história, independentemente de ser tecnicamente muito bem resolvida ou não”, reforça o professor.

Como dicas para quem deseja fazer bons registros, ele aconselha ter conhecimento básico técnico e saber lidar com seu equipamento, mesmo que seja um celular. “Acho importante tirar proveito do seu dispositivo, ter noções básicas de linguagem, de composição, de como se construir uma imagem e, a partir desse referencial técnico, saber o que se quer colocar, da melhor maneira possível, tentando sempre buscar a fotografia como um meio de se passar uma ideia, um conceito, um sentimento ou uma emoção, para quem vir sua foto”, diz.

Mulati lembra que “estamos diante de uma grande descoberta ou invenção – como queiram chamar a chegada da fotografia ao mundo -, algo muito novo”. “São cerca de duzentos anos de uma linguagem, uma ‘prima’ muito nova das artes, como desenhos e pinturas. Ao mesmo tempo, seu desenvolvimento, tão grande e expressivo, se deu em um curto espaço de tempo. Hoje, você vê fotografia em todos os cantos do mundo, nas mais diferentes formas de publicação e expressão. Porém, nisso tudo, apesar desse volume de imagens, principalmente nas redes sociais, continuo acreditando naquela foto comprometida, engajada com o homem e sua história”, aponta.

Como mensagem em relação ao Dia Mundial da Fotografia, o docente ressalta sua importância para a sociedade. “Peço muito aos alunos que nunca percam de vista essa situação: o quanto é relevante uma fotografia, por mais simples que seja, porque daqui cem anos, essa imagem pode ser um documento antropológico, um testemunho de um tempo que já passou, de um povo ou costume que talvez nem existam mais. Esse é o poder da fotografia”, finaliza.

Informações sobre os cursos de Jornalismo e Publicidade e Propaganda da Uniara podem ser obtidas no endereço www.uniara.com.br ou pelo telefone 0800 55 65 88.

Comentários