Mais de 100 jornais criticam agressividade de Trump contra a imprensa




O jornal americano The Boston Globe e mais de outras 100 publicações dos Estados Unidos publicarão nesta quinta-feira (16) editoriais sobre a ameaça à liberdade de imprensa imposta pelas manifestações públicas do atual presidente americano, Donald Trump. Os jornais enfatizarão a atividade da livre imprensa como parte fundamental da Democracia dos Estados Unidos e recomendação dos fundadores da República, no século XVIII.
“Em 2018, alguns dos ataques mais perigosos vieram de autoridades governamentais”, escreveu o jornal The New York Times em seu editorial, antecipado nesta noite.
A publicação destacou a correção das críticas positivas ao trabalho jornalístico. “Corrigi-los (aos editores e repórteres) é central no nosso trabalho. Mas insistir que verdades que você não gosta são ‘fake news’ [notícias falsas] é perigoso para a seiva da democracia. E chamar os jornalistas de ‘inimigos do povo’ é perigoso”, assinalou o Times.
O autor do chamado, The Boston Globe, destacou em seu editorial da edição de 16 de agosto o fato de Trump “ter criado um mantra de que a imprensa que não apoie descaradamente as atuais políticas do governo dos Estados Unidos é ‘inimiga do povo'”. “Esta é uma das mentiras despejadas por este presidente, como os charlatões dos velhos tempos jogavam poeira e água ‘mágicas’ para a multidão esperançosa.”
O Globe usa a hashtag #freepress para sua campanha, que foi aceita por pequenos a grandes jornais de todo território americano. A campanha responde nacionalmente à insistente agressividade de Trump e de seus colaboradores aos meios de comunicação mais críticos a seu governo e a seu tratamento aos profissionais da imprensa.
O presidente americano chegou a expor jornalistas, inclusive os que cobrem a Casa Branca cotidianamente, à ferocidade de uma plateia no Phoenix, Arizona, alimentada por seu discurso. Esse episódio de agosto do ano passado foi um dos eventos nos quais Trump chamou os jornalistas de “desgraçados” e “inimigos” da nação.
O presidente igualmente ensaia todos os dias uma comunicação direta com seu público por meio do Twitter, sem passar pelo crivo de sua própria Secretaria de Comunicação. Em seu editorial, o Globe alerta para o fato de que “substituir a imprensa livre por uma imprensa estatal sempre foi a primeira atitude de qualquer regime corrupto”.

Fonte: Veja

Comentários