Prefeitura inicia formação em economia solidária





A partir do programa “Território em Rede”, ações tiveram início em julho, no Parque São Paulo e Jardim das Hortênsias


A Coordenadoria de Trabalho e Economia Criativa e Solidária (ligada à Secretaria Municipal do Trabalho e do Desenvolvimento Econômico) deu início em julho a um trabalho de formação em economia solidária nos Centros de Referência de Assistência Social (Cras) do Parque São Paulo e Jardim das Hortênsias.

A iniciativa de realizar esse processo surgiu no Programa “Territórios em Rede”, através de uma articulação da coordenadora do programa, Celina Garrido, com as gestoras dos dois Cras, Sueli Aparecida Stivanato e Ana Mirian Petito, respectivamente, e a coordenadora de Trabalho e Economia Criativa e Solidária, Camila Capacle.

No Parque São Paulo as atividades envolveram cerca de 30 pessoas, principalmente mulheres, e alguns homens que são acompanhados pelo Cras e participam de atividades de convivência.

No primeiro encontro, Camila Capacle apresentou os trabalhos realizados pela Coordenadoria e falou sobre a importância de práticas coletivas entre pessoas que vivem em situação de vulnerabilidade social no município.

"Quando as pessoas se unem para pensar coletivamente formas de apoio mútuo e de geração de renda alternativas ao mercado de trabalho formal, cria-se uma rede de proximidade que pode modificar a vida delas. Às vezes a renda não é imediata, mas as relações sociais podem trazer inúmeros benefícios”, afirma Camila.

Organização

No segundo encontro, o tema debatido envolveu as formas de trabalho e organização na economia solidária e as múltiplas atividades que a comunidade pode organizar.

“A Coordenadoria não leva nenhuma proposta pronta e nenhuma solução imediata para os problemas da comunidade. O que nós propomos é facilitar a organização das pessoas em torno de um objetivo comum que possa gerar renda e melhorar as condições de vida delas”, acrescenta Camila Capacle.

Para o próximo encontro ficou definida uma oficina de sabão artesanal, que será ministrada por uma mulher da própria comunidade do bairro, dona Maria da Conceição da Silva.

Mulheres artesãs

No Cras do Jardim das Hortênsias, a primeira atividade envolveu dois grupos de mulheres artesãs, o grupo “Mulheres no Jardim”, que desenvolve bordados manuais há cerca de 10 anos.

Já o “Grupo do Crochê” é formado por mulheres que se reúnem no  Posto de Saúde da Família (PSF) uma vez por semana para atuarem juntas e trocar experiências, com acompanhamento de agentes comunitárias de saúde.

Planejamento

Ainda de acordo com Camila Capacle, a ideia é fazer um diagnóstico sobre as participações e o trabalho dos grupos para que possa ser planejada uma assessoria de gestão de negócios em empreendimentos solidários.

Já estão marcadas mais duas atividades para os grupos, que devem ser desenvolvidas neste mês de agosto.

Vale destacar que a economia solidária é uma estratégia de desenvolvimento local sustentável que objetiva fortalecer a comunidade, criar uma rede de relações e possibilitar práticas coletivas que gerem renda e melhorias de vida para a população.

Comentários