Vídeo mostra crianças brincando antes de bombardeio no Iêmen




Um vídeo divulgado pela imprensa do Iêmen mostra os momentos que antecederam o bombardeio desta quinta ((9) que matou 29 crianças em um ônibus escolar. As imagens foram gravadas por um dos meninos que viajava com a turma, Osama Zeid Al Homran.
Na filmagem, é possível ver as crianças dentro do ônibus, brincando e conversando em voz alta. Um pai do lado de fora do veículo acena pela janela.
As crianças, de 6 a 11 anos, participavam de uma viagem escolar, para comemorar sua formatura na escola de férias. Porém, o veículo em que viajavam foi atingido por um bombardeio, atribuído à coalizão internacional liderada pela Arábia Saudita.
No momento do ataque, o ônibus estava em um frequentado mercado de Dahyan, em Saada, uma zona no norte do Iêmen controlada pelos rebeldes houthis
A coalizão militar liderada pela Arábia Saudita, que intervém desde 2015 contra os rebeldes, anunciou que vai abrir uma investigação sobre o ataque aéreo. O grupo militar assumiu a responsabilidade pelo bombardeio, mas garantiu que visava a atingir um ônibus no qual viajavam “combatentes houthis”.

O vídeo

Nas imagens divulgadas pela imprensa iemenita, é possível ver os meninos felizes, animados com o passeio. Eles viajavam em direção um cemitério destinado aos combatentes houthis, um dos poucos espaços verdes que não foram destruídos na região de Saada, segundo a imprensa local.
“Por causa da guerra, a maioria dos parques e jardins foram destruídos”, explicou Yahya Hussein, o professor dos meninos que sobreviveu ao ataque à emissora americana CNN. “As áreas mais bonitas são os santuários para mártires e mesquitas”, disse.
Segundo Hussein, a turma acabara de terminar um curso de religião realizado durante as férias da escola regular e fazia o passeio para comemorar a formatura.
No vídeo, é possível ver os colegas de classe durante a visita ao cemitério. Eles são mostrados recitando versos do Alcorão. No momento em que a aula termina, as crianças correm para brincar.
Osama Zeid Al Homran, que usou um celular para fazer o vídeo, pode ser ouvido gritando para seus amigos: “Espere! Vamos tirar uma foto!”.
Mais tarde no mesmo dia, quando os estudantes voltaram ao ônibus, foram atingidas pelo bombardeio. Ao menos 29 crianças morreram, segundo o Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV).
Os rebeldes houthis divulgaram um balanço mais elevado. O ministro da Saúde houthi, Taha el-Moutawakel, anunciou 51 mortos, incluindo 40 crianças, e 77 feridos, a maioria menores de idade.

Funerais

Milhares de iemenitas expressaram nesta segunda (13) sua revolta contra Arábia Saudita e Estados Unidos durante os funerais das crianças mortas no bombardeio. A cerimônia fúnebre aconteceu na cidade de Saada.
Os caixões chegaram a uma grande praça de Saada a bordo de quase 50 veículos cobertos com bandeiras verdes. Os ataúdes, também cobertos de verde e com os retratos das vítimas, foram colocados no chão para a cerimônia funerária.
 Crianças inspecionam sepulturas preparadas para vítimas do ataque aéreo a um ônibus com crianças na província de Saada, no Iêmen – 10/08/2018
Crianças inspecionam sepulturas preparadas para vítimas do ataque aéreo a um ônibus com crianças na província de Saada, no Iêmen – 10/08/2018 (Naif Rahma/Reuters)
A multidão gritou frases contra os Estados Unidos e Israel e denunciou “um crime dos sauditas contra a infância iemenita”.
A guerra do Iêmen deixou 10 000 mortos desde a intervenção da coalizão liderada pelos sauditas em março de 2015 e provocou a “pior crise humanitária” no mundo, segundo a ONU.
Estados Unidos, França e Grã-Bretanha, três dos membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU, apoiam a coalizão saudita em sua campanha conta os rebeldes houthis no Iêmen, mas expressaram sua preocupação com o alto número de vítimas civis deixados nos últimos anos
A ONG de defesa dos direitos humanos Human Rights Watch criticou que o Conselho não tenha exigido uma investigação imparcial. “A triste realidade é que se deu aos sauditas a oportunidade de investigarem a si próprios e os resultados são ridículos”, afirmou a vice-diretora da HRW para a ONU, Akshaya Kumar.
A coalizão liderada por Riad intervém no Iêmen para apoiar as forças do presidente Abd Rabo Mansur Hadi. O grupo combate os rebeldes houthis que tomaram importantes setores do país, incluindo a capital, Sanaa.


Fonte: Veja


Comentários