MENSAGEM DO PCC DEIXA POLÍCIA DE ARARAQUARA EM ALERTA.


Foto: Operação da Polícia Militar em Araraquara.


Devido a mensagens de que estão circulando de possíveis ataques do PCC a Polícia Militar de Araraquara entrou em alerta, e em frente do 13° Batalhão de Araraquara foi colocado cones para que só passe um carro por vez no local.


 A MENSAGEM QUE VEM CIRCULANDO.

'' Primeiro Comando da Capital (PCC) 15.3 .3
Viemos através deste comunicar a população do estado de São Paulo que estaremos em guerra contra a opressão do governo com nosso irmão Marcola , não iremos aceitar a transferência do nosso irmão , vamos tocar fogo no estado , nossa guerra será contra a mídia a polícia e governo , não fica moscando na rua pra vc não ser estatística!!
Vamos revindicar o direito do nosso irmão Marcola , não é justo essa opressão , de transferência do nosso líder!
Sábado a partir das 21:00 é guerra , atenção população!
 Grupo sinto que preciso avisar a vcs pois o meu marido trabalha na penitenciária e hj vai virar a cadeia segundo o diretor
 Então todos tem que ter atenção redobrada
 Esse é apenas um tenho vários áudios é muito sério
 Ju cuidado vc que passa perto da penitenciária pra ir embora
 Fiquem quietos em casa por prevenção Deus queira que nada aconteça
: Pessoal vamos acreditar, atenção redobrada não somente no trabalho e nos Bravo, em geral te informações fortes inclusive para Araraquara.''


Mesmo diante das medidas feitas pelo batalhão, o estado nega os ataques e fala que as mensagens repassadas são falsas.

Circulam no WhatsApp mensagens de alerta sobre um suposto ataque do Primeiro Comando da Capital (PCC) em São Paulo, por retaliação contra a transferência de presídio do principal líder da facção, Marcos Willians Herbas Camacho, o Marcola. ASecretaria da Segurança Pública (SSP) e o governador João Doria negaram a autenticidade do “salve geral”.
O texto que está sendo compartilhado no aplicativo avisa de um “toque de recolher” às 21h deste sábado, 16, e faz ameaças de “guerra”. Também circulam pelo aplicativo áudios que citam integrantes da força policial. Leitores enviaram os conteúdos enganosos aoWhatsApp do Estadão Verifica(11) 99263-7900.
A SSP emitiu nota afirmando que não há nenhum indício que comprove a iminência de ataques de organizações criminosas “contra o poder público ou seus agentes, em especial os integrantes das forças de segurança pública, como forma de retaliação a serem praticadas por indivíduos ligados aos presos recém transferidos.”
A pasta também garantiu que as medidas adotadas pelo Comando da Polícia Militar que orientam o efetivo sobre reforços ou ações de ordem operacional são preventivas e “objetivam potencializar a sensação de segurança na sociedade.”
Em coletiva nesta sexta-feira, 15, o governador Doria disse que as gravações de alerta já haviam sido identificadas pelo Estado e seriam de autoria de criminosos.
“Quero deixar muito claro: fake news. Temos um monitoramento da Polícia Militar, daPolícia Civil. São notícias falsas. Ontem (quinta-feira, 14), no Conselho de Segurança Pública, esses áudios já tinham sido identificados por nós. São improcedentes. Não há nenhum movimento”, afirmou Doria.
Marcola e mais 21 integrantes da cúpula do PCC foram transferidos da penitenciária de Presidente Venceslau (SP) para presídios federais em Mossoró (RN), Brasília e Porto Velho (RO) nesta semana. Com a movimentação, os comandos da Polícia Militar e da Polícia Civil colocaram em alerta 100 mil agentes nesta quarta-feira, 13. Um decreto assinado pelo presidente Jair Bolsonaro autorizou o reforço de segurança das Forças Armadas nas cidades para as quais os criminosos foram enviados.

(fonte: O Estadão)

Comentários

Postar um comentário