Se você está sofrendo não significa que está doente!


















Se você está sofrendo não significa que está doente! A dor e a doença parecem ser condições de causa e efeito, mas nem sempre pode significar isto. Há quem sinta a necessidade de encontrar uma justificativa para o sofrimento, seja ele físico, moral ou psíquico, e é comum que façamos isso. O desconforto causado pela alteração do bem estar para o mal estar pode às vezes fazer com que exijamos de nós mesmos uma explicação, ou, uma causa. O ponto em que me inspira a escrever este artigo é justamente falar sobre a compreensão que temos do sofrimento/dor, que muitas vezes se revela na necessidade de “patologização”, ou melhor, de atribuir á doença como uma consequência do sofrimento. Para elucidar melhor este pensamento vamos pensar em uma dor comum: a dor de cabeça. Para as seguintes informações, retirei de uma pesquisa ás fontes do Hospital Israelita, A. Einstein, entre outros, contidos no mecanismo de pesquisa Google. Caracterizada como uma sensação dolorosa em qualquer parte da cabeça, desde aguda até incômoda, a dor de cabeça pode significar enxaqueca, cefaleia de tensão, concussão, etc, e também, falta de sono, uso de óculos com grau incorreto, estresse etc. Neste primeiro caso, os exemplos citados se referem á doenças com o sintoma de dor de cabeça, já no segundo, refere-se ao sintoma dor de cabeça sem razão patológica. O mesmo ocorre com os sofrimentos psíquicos. Estar triste, ansioso, desmotivado, com diminuição ou aumento de apetite ou sono, e, até, ter comportamentos auto-destruitivos pode não significar uma doença, como depressão, transtornos ansiosos, bipolaridade, etc. Ser humano significa ter emoções, sentimentos, afetividade, e a psicologia humanista compreende bem isto. Estar vivenciando a tristeza, desmotivação, ter alterações de apetite e sono, etc, pode ser compreendido em decorrência de experienciar aquela situação que lhe permitiu perceber tal emoção. Ou seja, quem nunca passou por uma situação em que foi sofrido experimentar certas emoções e sentimentos? O sofrimento faz parte da nossa existência, e, nem sempre, ele significa doença. A partir disto, pensemos na necessidade da psicoterapia, de ter alguém para servir de espelho para conhecer tais emoções. O psicoterapeuta vai te ajudar a refletir sobre o que está vivendo naquele instante, e facilitar com que você valorize quem é. Não há como remediar autoconhecimento, autoestima e autonomia, são aspectos que a necessidade de imediatez não alcança. Pare de reduzir a si mesmo em uma doença, conheça suas dores e tome a posição de se responsabilizar pelo cuidado delas, ao invés de atribuir como algo inato, ou a outrem. Permita-se sentir e viver plenamente as emoções, conte com uma ajuda profissional. Para saber mais sobre o processo psicoterapêutico e condições existenciais me procure em minha clínica. Psicóloga clínica Pamela Rovere- CRP 06/144921, psicoterapia com jovens, adultos e idosos. Atendimento em Araraquara/SP. Valores acessíveis e humanizados, pensados em você. Contato: (16) 99783-6469 (também whatsapp).

Comentários