JORNALISTA DE ARARAQUARA É DEMITIDO, E SITE DIZ SER ALVO DE CENSURA.






O Araraquara 24 Horas perguntou ao jornalista sobre  a reportagem que cita a demissão por censura. Ele enviou uma nota à imprensa. Segue abaixo:

No domingo à noite, fui informado por algumas pessoas sobre essa matéria envolvendo meu nome publicada pelo site Agora Paraná. E também a repercussão dela no Twitter com mais de 8 mil engajamentos de todo o Brasil. O jornalista responsável, Oswlado, entrou em contato comigo no domingo, dia 11, por WhatsApp, porque acompanhou meu trabalho com as reportagens relacionadas aos ‘hackers de Araraquara’. Ele falou de censura. Nunca fui censurado, mas admito que a minha dispensa foi ‘estranha’.

Eu não o conheço, só sei que é de Brasília. Ele queria saber se era verdade que minha saída estava relacionada a alguma pressão política e/ou empresarial. Eu, por telefone, o informei que desconhecia tal fato. E preferi não comentar mais sobre a minha saída do Grupo EPTV. Eu que já tinha trabalhado na empresa anteriormente, retornei em janeiro de 2017 para iniciarmos o ACidadeON/Araraquara e ampliarmos o jornalismo da Jovem Pan [que deu tão certo que virou CBN]. Depois, criamos o ACidadeON em São Carlos.

O que posso te afirmar é que eu sou humano, fiz as matérias relacionadas ao maior escândalo envolvendo Araraquara em nível nacional, mas cometi uma falha ao responder grosseiramente alguns internautas, o que nunca havia acontecido. Ironizávamos quando era preciso, mas nunca fomos grosseiros. Como eu disse em um post, em minha rede social, não me lembro de ter respondido nada. Tive uma espécie de apagão. Não sei nem quando, nem onde dei as respostas. Argumentei isso para a diretora que veio fazer a dispensa, mas sequer fui ouvido.

Para fazer a cobertura dos hackers e adiantar os demais expedientes como os especiais de aniversário, dormi poucas horas por dia, que, aliado ao tempo seco e problemas pessoais que todos temos, acabou baixando a minha resistência e peguei febre e gripe, e ainda tive uma suspeita de gastrite nervosa. Aconselhado por um médico, tomei um dia antes um medicamento, o Tropinal. Uma das contra indicações é a sonolência que aliada ao estresse pode causar uma perda de memória temporária.

Enfim, são suposições. O fato é que teve a falha e como a decisão de manter ou não o funcionário via CLT é somente da empresa, eles entenderam que eu devia ser dispensado sem nunca ter sequer sido advertido. A minha saída foi, então, subjetiva. Achei, sim, ‘estranha’ a decisão, mas paciência. Eu não entendi e quem me ligou também achou uma dispensa nada convencional. Eu já iria deixar o grupo de mídia para me dedicar a minha empresa de móveis planejados. No entanto, a ideia era para se desligar em fevereiro. Só antecipamos.

Importante destacar que não guardo rancor e nem desprezo. Deixo ali amigos e companheiros de anos de trabalho. Criamos bons produtos, contamos boas histórias e acredito que deixamos um legado. Por ora, é isso.




SITE QUE PUBLICOU UMA DENÚNCIA, E ALEGOU QUE O JORNALISTA FOI CENSURADO.




Comentários