Polícia Militar SP lança edital de concurso para contratar 2,7 mil soldados

 



Foi publicado no Diário Oficial do Estado, desta quinta-feira (21), o edital para selecionar 2.700 soldados de 2ª classe que irão atuar nas unidades da Polícia Militar do Estado de São Paulo. O curso de formação tem duração média de um ano e é realizado na Escola Superior de Soldados “Coronel PM Eduardo Assumpção”, na zona norte da Capital, e nos núcleos de formação no interior, à ela subordinados.

A abertura deste concurso público foi autorizada pelo despacho do Governador João Doria (PSDB) publicado no Diário Oficial, do dia 21 de setembro de 2021.

O edital na íntegra poderá ser conferido no site da Imprensa Oficial, no caderno Executivo I – seção Concursos Públicos, a partir da página 132.

Inscrições

Os interessados na seleção poderão se inscrever das 10h de 25 de outubro até às 23h59 de 8 de dezembro deste ano, exclusivamente pelo site da Fundação Vunesp, pagando uma taxa de R$ 57. O pagamento da taxa deverá ser feito, no máximo, até o 1º dia útil subsequente ao término do período das inscrições.  

Principais requisitos

Os candidatos precisam ser brasileiros e ter entre 17 e 30 anos, exceto para aqueles que já pertencem aos quadros da PM paulista. É necessário estar em dia com suas obrigações eleitorais e militares e ser habilitado para condução de veículo motorizado entre as categorias “B” e “E”. Tatuagens são permitidas, desde que não faça alusão à discriminação, violência ou seja ofensiva à PM ou aos direitos humanos. As mulheres interessadas necessitam de altura mínima de 1,55 metro e os homens, de 1,60 m.  

Para ser um futuro soldado da PM, o participante precisa ter concluído o ensino médio ou equivalente e passar em todas as etapas do concurso dentro do número e vagas.

Salário e atribuições

A remuneração inicial do soldado de 2ª classe é de R$ 3.360,33 incluindo o salário-base, o Regime Especial de Trabalho Policial e o valor de insalubridade.

As atribuições do cargo são o policiamento ostensivo e a preservação da ordem pública.


Fonte:leiaogazeta