Mãe de mulher morta pelo marido chora e diz que alertou filha: 'Larga esse cara, ele não presta'

 



A mãe da mulher morta pelo marido em Blumenau (SC) afirmou em entrevista à Record TV que já havia aconselhado Jéssica Mayara Ballock a terminar a relação com Kelber Henrique Pereira. “Eu falei pra ela: ‘Filha, larga esse cara, ele não presta’”, relatou Marcileia Ballock, bastante emocionada.

Jéssica, de 23 anos, e o filho Théo Pereira, de apenas 3 meses, foram mortos no fim de semana por Kelber, de 28. Ele foi preso na noite de terça-feira (26) em Paulínia, no interior de São Paulo, e confessou os crimes. Kelber saiu de Santa Catarina com o outro filho que tem com Jéssica, de 2 anos, que foi levado para a casa dos avós paternos, em Minas Gerais, mas agora está sob os cuidados de uma instituição.

Marcileia afirma que a família e amigos já haviam pedido a Jéssica que terminasse a relação. Além de saber que Kelber usa drogas, a família tinha ciência de que ele havia cometido furtos de objetos de parentes da jovem. Por esses e outros motivos e por ser uma má influência, os parentes alertaram a jovem sobre a relação. “Ela amava tanto ele que não escutava a gente”, afirma.

A mãe da jovem conta que Jéssica se afastou dos parentes e até dos amigos por causa do marido. “Ele fez ela se afastar de mim e dos outros. A gente sofria. Eu não podia estar com minha filha e os meus netos”, conta.

Marcileia descarta a hipótese de que Kelber tenha cometido os crimes por estar sob o efeito de drogas, conforme ele alega. Ela relata que ele já usou entorpecentes outras vezes, sem efeitos drásticos. Afirma ainda que, na festa ocorrida na casa da família no sábado (23), o genro consumiu apenas duas latinhas de cerveja.

O pai de Jéssica, Rogério Ballock, também emocionado, mostrou revolta pelo fato de a família não ter sido informada sobre uma investigação que envolve o possível assassinato de outra mulher por Kelber. Ele é suspeito de ter matado uma garota de programa em Gaspar (SC) há três meses.

“Eu nem sabia desse crime. Minha filha poderia estar viva se tivéssemos sido alertados”, lamentou Rogério. Ele definiu Kelber como “lixo da sociedade” e afirmou que tratou o genro “da melhor forma” em sua casa.

Fonte:R7