Black Friday: alimentos e itens de higiene tomam espaço do celular

 



A Black Friday deste ano, marcada para a sexta-feira (26), terá a participação de segmentos da economia que costumavam ignorar a data. A pandemia de Covid-19 é responsável em parte pela mudança, impulsionada também pelo avanço da pobreza no país.

Os carros-chefe do período, os eletroeletrônicos, estão chegando caros ao Brasil por causa do dólar alto. Isso quando desembarcam por aqui, afinal também faltam insumos e peças para montar os produtos, em razão da redução das atividades da indústria chinesa, realidade imposta pelos protocolos de segurança contra o novo coronavírus.

Ao mesmo tempo, disparou a inflação, a população perdeu renda e o desemprego no Brasil segue em níveis muito altos.

Em uma busca na internet, percebe-se que as grandes marcas do comércio varejista nacional têm anúncios de alimentos e produtos de limpeza em promoção. As ofertas de celulares, tablets e eletrodomésticos, que antes reinavam praticamente sozinhas, agora dividem espaço com as de cestas básicas, chocolates, produtos de limpeza e peças de roupa.

"Há uma alteração no perfil da Black Friday ao longo dos anos", diz a assessora econômica da Fecomércio-SP (Federação do Comércio de São Paulo), Kelly Carvalho.Em uma busca na internet, percebe-se que as grandes marcas do comércio varejista nacional têm anúncios de alimentos e produtos de limpeza em promoção. As ofertas de celulares, tablets e eletrodomésticos, que antes reinavam praticamente sozinhas, agora dividem espaço com as de cestas básicas, chocolates, produtos de limpeza e peças de roupa.

"Há uma alteração no perfil da Black Friday ao longo dos anos", diz a assessora econômica da Fecomércio-SP (Federação do Comércio de São Paulo), Kelly Carvalho.

Em uma busca na internet, percebe-se que as grandes marcas do comércio varejista nacional têm anúncios de alimentos e produtos de limpeza em promoção. As ofertas de celulares, tablets e eletrodomésticos, que antes reinavam praticamente sozinhas, agora dividem espaço com as de cestas básicas, chocolates, produtos de limpeza e peças de roupa.

"Há uma alteração no perfil da Black Friday ao longo dos anos", diz a assessora econômica da Fecomércio-SP (Federação do Comércio de São Paulo), Kelly Carvalho.

A Loft, que trabalha com reformas e vendas de imóveis, também aderiu à data de promoções. Em seu site aparecem casas e apartamentos selecionados pela empresa com até 30% de desconto. 

Ainda no ramo imobiliário, a construtora Gafisa divulga "descontos reais e entrada facilitada".

O setor de automóveis, que tradicionalmente tem peso bem baixo nas negociações da data, também viu uma chance de reverter as perdas ocorridas durante a pandemia.

O site Webmotors faz o Black Feirão, com o anúncio de redução de preços e facilidades no financiamento em vários tipos de veículo, incluindo carros de luxo.

Entre eles há uma Ferrari 488 Spider, de 2019, por R$ 3.300.000. Apesar de o preço estar acima da tabela Fipe, haveria a vantagem da possibilidade de pagamento em várias parcelas e a da entrega do veículo em casa.

Fonte:R7